December 21, 2017

Dois meses aqui no alto Minho



         

                                          Ciao a tutti!!

Estou aqui hoje para escrever este texto e não sei bem o que escrever, não sei se utilizo este espaço digital como um diário partilhado ou apenas para assinalar os eventos que passam na minha experiência aqui, na AJD, veremos o que me dizem depois de publicado J
Passaram-se 2 meses desde que aqui cheguei a este bellissimo país e experimento muitas memórias atadas a um remoinho louco na minha cabeça (num sentimento de sucessão ilógica de eventos sem saber onde colocá-los em ordem cronológica). Ah! Quantas emoções e quantas coisas novas...

Em primeiro lugar, meu nome é Pietro, tenho 24 anos e comecei esta nova aventura em Portugal há dois meses, em parte porque fazia muito tempo que na minha mente vagueava o pensamento de ir para um país diferente da Itália viver, tanto porque "sempre" tive uma certa curiosidade pelo mundo do voluntariado e senti a necessidade de ter essa experiência.
Ainda me lembro do primeiro dia que cheguei, estava a chover muito e certamente não era um dos melhores dias, mas meu humor mudou assim que eu troquei minhas primeiras palavras em português com um local, pedindo instruções para um supermercado; o jovem não só se prestou a me responder, mas decidiu, com um bom espírito (que eu reconheci como absolutamente espontâneo), me acompanhar ao então "continente" desconhecido. A partir daí, os primeiros passos e um forte sentido de descoberta ajudaram-me a estabelecer-me sem sofrer particularmente a solidão; como muitas vezes acontece com o primeiro impacto, enfrento desafios e inovações com grande entusiasmo.

Durante as primeiras 3 semanas, compartilhei a casa com a Karina, uma rapariga francesa a quem eu chamaria quase de criança por causa da sua capacidade de entusiasmar e envolver os outros em seus "jogos". Inicialmente, não entramos em contacto, mas com a chegada de Tibor tudo mudou. Sinto-me muito afortunado de partilhar a casa com eles, no dia a dia, estou a aprender a conhecê-los melhor: utilizo um dos lemas do Tibor: “we live together, we work together, we eat together, we do EVERYTHING together” ("vivemos juntos, trabalhamos juntos, comemos juntos, fazemos TUDO juntos"). Talvez por esse motivo estou a aprender a tirar um exemplo do que mais gosto de suas pessoas (quase tudo).
A chegada de Tibor trouxe um sopro de frescura e desejo de mudança, a primeira noite com ele foi muito animada e interculturalmente muito rica J ; mas, ao mesmo tempo, trouxe à minha vida uma sensação de "descontentamento" e descrença às vezes, por seu comportamento, muito diferente da minha cultura, isso me permite melhorar a minha empatia. Costumo falar antes de pensar e muitas vezes não consigo ver as coisas de outro ponto de vista, pelo menos no primeiro momento.
Mas agora vamos falar um pouco sobre o que eu realmente faço na associação e quais foram os "laboratórios" que implementei durante este período (ou talvez não). Não vou falar sobre o que a AJD está a fazer porque podes descobrir ao navegar neste site, mas vou-me concentrar no que aprendi aqui e no que ainda tenho para aprender.

Eu aprendi que, embora existam papéis hierárquicos dentro do mesmo local de trabalho, tu podes estabelecer relacionamentos amigáveis e viver o local de trabalho com serenidade e desejo de brincadeira, estou muito feliz em trabalhar com a Sara, Jerusa e Bibi: são três anjos reais da AJD, que todos os dias colocam paixão no seu trabalho e isso é percetível e de grande inspiração.
O contato com as crianças está mudando literalmente todos os dias, a maioria dos dias eu deixo a ludoteca com mais energia do que eu tive quando entrei de manhã; mas tenho que admitir que, depois de algumas oficinas (como a do Judo ou a de pizza), sinto-me drenado e volto para casa no silêncio mais ensurdecedor, sem muitos pensamentos na minha mente, esvaziada.
Agora percebo que teria sido muito útil escrever um diário para tornar este desafio mais fácil; talvez seja melhor dar a ideia da minha experiência através da descrição de um evento que me vem à mente.

Bem, não consigo esquecer-me da primeira atividade realizada com crianças, foi uma apresentação em colaboração com a Karina sobre os nossos países de origem. Não sabíamos como lidar com um grupo de crianças. Eu acho que foi a primeira vez para ambos e por isso colocamos todas as nossas energias para obter um produto fantástico (pois para aquelas que são as nossas habilidades, claro) durante três dias inteiros trabalhamos num power point com muitas animações e sons conectados, incríveis! Mas, dessa experiência, nós entendemos que não era necessário concentrar-nos nos detalhes da forma, mas sim no conteúdo, na substância.
A partir dessa primeira experiência, chegamos a preparar um show de talentos em uma aldeia como Deão, onde, do que eu entendo, as pessoas não costumam sair à noite e se encontrar em um lugar comum para partilhar a mesma experiência, podes acreditar? Bem, sim, fizemos isso, Karina apresentou como Even Teresa Guilherme não fazia e eu, Tibor e Joaquina compusemos um júri que nem mesmo a RTP poderia recrutar.

Nós também apresentamos o que estamos a fazer aqui em duas escolas secundárias e em ambas as experiências fomos elogiados e tivemos um feedback positivo para nos fazer sentir capazes de fazer grandes coisas, ou pelo menos fantasiar sobre isso J.
Meu sorriso volta à minha boca ao pensar em todas as provas que fizemos e naquela sensação de perda ao não me lembrar daquela frase em português, essa frase, que me fez um ator português durante meia hora; e digo isto porque na semana passada levamos ao palco uma peça de teatro com uma companhia de teatro amador, no palco de Subportela.
Desde que cheguei, ou melhor, desde o dia em que começamos a trabalhar desde a manhã, precisamente da semana seguinte à minha chegada, minha vida tornou-se uma vida rotineira. Todos os dias eu trabalho das 11h às 19h, e todos os dias almoço no Centro Social Paroquial de Deão, simplesmente wow! Almoçar para mim é como uma oficina de calão português, e a comida é simplesmente deliciosa. 
Durante uma semana, Tibor e eu começamos a trabalhar com os velhinhos do Centro Social Paroquial de Deão, é um desafio agradável e, assim como as crianças, podem reconhecer nelas uma personalidade "pura" que não está contaminada, ou menos contaminada, pela sociedade.
Vou contar-vos algumas oficinas mais específicas em outros artigos, quando eu encontrar inspiração para escrevê-los ;)
A minha vida fora da associação é tão ativa como no interior, eu estou a praticar judo na Monserrate e, quando encontro o tempo que preciso, surfo na praia do Cabedelo.
Gostaria de me concentrar aqui na atividade do surf porque para mim foi uma surpresa maravilhosa, não conseguiria imaginar antes de chegar aqui que teria a oportunidade de navegar quando quisesse, alcançar a praia é fácil e com a ajuda de uma bicicleta ainda mais, wow!
Ainda gostaria de escrever mais sobre o que está acontecendo, mas ao mesmo tempo acho que não é o "lugar" certo, sintam-se livres para me perguntar o que desejam saber sobre esta minha experiência em Viana do Castelo.
Uma saudação afetuosa

Pietro




Ciao a tutti!!

I'm here today to write this presentation and I do not know what to throw down, I don’t know whether to take this digital space as a shared diary or just to note the events that pass in my experience here in the AJD, we'll see what they say once published J
2 months have passed since I arrived in this beautiful country and experiences like past memories are knotted in a mad whirl in my head (in a feeling of illogical succession of events without knowing where to place them in chronological order ) Aah how many emotions and how many new things!
First of all, my name is Pietro, I'm 24 years old and I started this new adventure in Portugal two months ago, partly because it was a long time since my mind was wandering around this thought of going to a different country from Italy to live , both because I’ve "always" had a certain curiosity in the world of volunteering and I felt the need to try this experience.
I still remember the first day I arrived, it was raining a lot and it was certainly not one of the best, but my mood changed as soon as I exchanged my first Portuguese words with a local, asking for directions to a supermarket; the young man not only lent himself to answering me but he decided, with a good spirit (which I recognized as absolutely spontaneous), to accompany me to the then unknown "continente". From there the first releases and a strong sense of discovery helped me to settle down without suffering particularly loneliness; as often happens to me as first impact I face challenges and innovations with great enthusiasm.
For the first 3 weeks I shared the house with the only Karina, a French girl whom I would call almost a child because of her ability to get excited and to involve others in her "games"; initially we did not really come into contact but with the arrival of Tibor everything changed. I feel very lucky to share the house with them, day by day I'm learning to know them better: picking up one of Tibor's slogans "we leave together, we work together, we eat together, we do EVERYTHING together" perhaps for this reason; I'm learning to take an example from what I like most about their people (almost everything).
The arrival of Tibor brought a breath of freshness and desire for change, the first evening with him was very lively and interculturally very rich J, but at the same time brought in my life a sense of "displeasure" and disbelief sometimes, for his behavior, very far from my culture, this is allowing me to improve my empathic part. I usually talk before even thinking and often I can not see things from another point of view, at least in the first moment.
But now let's talk a little about what I'm actually doing in association and wich "laboratories" I implemented during this period. I’m not going to cover what the AJD is doing because you can find out by browsing this website, but I’ll focus on what I have learned here and on what I still have to learn.
I learned that although there are hierarchical roles within the same workplace you can still establish friendly relationships and live the workplace with serenity and desire to joke, I am very happy to work with Sara, Jerusa and Bibi: the three real angels of AJD, who every day put passion into their work and this is perceptible and of great inspiration.
The contact with the children is literally changing my days, most days I leave the playroom with more energy than I had when I entered in the morning; but I have to admit that after some workshops (like the one of Judo, or the pizza’s one) I feel drained and I go back home in the most deafening silence without many thoughts in my mind, emptied.
Rereading I realize how lazy I was in not writing a daily diary because now I don’t know what to write and what to tell; perhaps it is better that it gives you the idea of ​​my experience through the description of some events that comes to my mind.

Well I can not forget the first activity carried out with children, it was a presentation in collaboration with Karina over our countries of origin, we didn’t know how to deal with a class of children, I think was the first time for both and for this reason we put all our energies to get a fantastic product (for those that are our ability) for three whole days we worked on a power point with lots of animations and sounds connected to them, incredible! But from that experience we understood that it was not necessary to dwell on the details of form but rather on the content, on the substance.
From that first experience we even got to prepare a talent show in a village as a Deao where, from what I understood, people don’t use to go out at night and meet in a common place sharing the same experience, can you believe it ?! Well yes we did it, Karina presented how even Teresa Guilherme could not and Tibor, Jaquina and me have composed a jury that not even the RTP could recruit.
We have nicely presented what we are doing here in two high schools and in both of the experiences we have been praised and we have had positive feedback wich make us feel capable of doing great things, or at least fantasizing about it J.
My smile comes back to my mouth thinking back to all the evidence we have done and that feeling of loss in not remembering that sentence in Portuguese, just that one sentence, which made us Portuguese actors for that half hour. I say this because last week we brought on stage a theatrical show with an amateur theater company, on the stage of Subportela.

Since I arrived or rather since the day we began to go in association since the morning, precisely from the following week my arrival, my life has become a routine life. Every day I work from 11 to 19, and every day I have lunch in the parish social center of Deao, simply WoW! Dining there for me is like a Portuguese lessons, slang portuguese workshop, and the comida is simply delicious.
Last week Tibor and I have started working with elderly people of the parroquial center of Deao, it is a pleasant challenge and just as children I can recognize in them a "pure" personality that is not contaminated or less contaminated by society.
I will tell you some more specific workshops in other articles as long as I can find inspiration to write them ;)
My life outside of the association is as active as the inside, since I'm here I’m practicing judo in Monserrat and when I can find the time I go surfing in Cabedelo beach.
I would like to focus on surfing because for me it was a wonderful surprise, I could not imagine before coming here that I would have had the opportunity to surf whenever I wanted to; reaching the beach is easy and with the help of a bicycle even more, WoW!
I would still like to write about what is happening here but at the same time I think it is not the right "place", feel free to ask me what you want most particularly about this experience in Viana do Castelo.
A warm greeting


Pietro

No comments:

Post a Comment