May 16, 2016

O COMBOIO DA VIDA

The train of life, April of 2016 
My name is Javier. I am 30 years old and I come from Spain. I just arrived in Viana in order to start my EVS in the Associação Juvenil de Deão (AJD).

Sometimes things are easier than we think. My arrived to Viana was a little bit difficult. I decided to com to Portugal by train because it was easier for me. But, against all odds, I missed the train. I actually witnessed how the doors closed right in front my face. The fact of taking the AVE (train of high speed) cost me quite expensive because doors are closed two minutes before the time of departure. I arrived right on time, but two minutes late. Traffic jam, a group of cyclists and my relaxation made me loss the train. With my bag on my back I had to return to my house and buy another ticket for the next day. Finally, the next day I travelled to Portugal. 

Feeling and sensations are mixed at first. Sometimes you believe you can do anything. Emotions are intensified. Some moments you feel lots of happiness and adrenaline and some others melancholy and sadness. Once the first days go by, is the moment for calming down, getting back on the ground and try to embrace anything that comes. 

New language, new culture, new projects, new initiatives and new people to learn from. The train of life continues his way. And as in life itself, there will be moments of all. Right now the things I appreciate the most are the people, the support and the wonderful landscape. With these things everything is easier.

I forgot one thing… they lend me a bicycle. This is the the most exciting object that anyone could give me. Like this, next time I lose a train I can come with my bike, although It might take a bit longer. 

See you soon!

O comboio da vida, Abril de 2016
Meu nome é Javi, tenho 30 anos e sou Espanhol. Acabo de chegar a Viana para começar o meu EVS na Associação Juvenil de Deão (AJD).

Às vezes as coisas são mais fáceis do que as fazemos. A minha chegada a Viana foi complicada. Eu decidi apanhar comboios porque era mais fácil para mim. Bem, perdi o comboio. Apercebi-me disso quando a porta se fechou na minha cara e o comboio se começou a afastar lentamente. Apanhar o CAV (comboio do alta velocidade) custou-me muito caro, os portões do embarque fecham dois minutos antes. Eu cheguei apenas àquela hora, em cima da hora. O trânsito, um pelotão ciclista e o meu excesso de confiança, provocaram esta perda lamentável. Com a minha mochila ao ombro tive que me desenrascar e comprar um novo bilhete para o dia seguinte. Por fim, no dia seguinte, eu pude viajar para Portugal. 

As sensações foram inicialmente “multifárias”. Houve momentos de tudo. As emoções intensificaram-se. Momentos de muita alegria e adrenalina e outros de melancolia e tristeza. Depois de alguns dias é tempo de calma, de pisar a terra e aproveitar ao máximo esta oportunidade. 

Outra língua, cultura, projectos e iniciativas para aprender e, novas pessoas para conhecer. O comboio da vida continua o seu caminho. É como na vida em si, em que vão acontecer momentos para tudo. Por agora, eu vou ficar com o apoio, o carinho e a região. Com estas coisas tudo é mais fácil.

Esqueci-me... Emprestaram-me uma bicicleta. Esse foio melhor estimulante que me poderiam dar. Então, da próxima vez que eu perca um comboio, poderei ir a pedalar mesmo que eu demore um pouco mais. 

Até a próxima!

El tren de la vida, Abril de 2016
Mi nombre es Javi, tengo 30 años y soy Español.  Acabo de llegar a Viana para comenzar mi EVS en la Associação Juvenil de Deão (AJD).

A veces las cosas son más fáciles de lo que las hacemos. Mi llegada a Viana fue complicada. Decidí tomar trenes porque era más fácil para mí. Pues bien, perdí el tren. Vi como me cerraban las puertasen mi cara y el tren se alejaba poco a poco. Tomar el AVE (tren de alta velocidad)  me costó caro, cierran las puertas de embarque dos minutos antes. Yo llegué justo a esa hora, dos minutos antes. El tráfico, un pelotón ciclista y mi excesiva confianza provocaron tan lamentable perdida. Con mis mochilas en el hombro tuve que darme la vuelta y comprar outro nuevo billete para el dia siguiente. Por fín al dia siguiente pude viajar a Portugal.

Las sensaciones al principio son variopintas. Tienes momentos de todo. Las emociones se intensifican. Momentos de mucha alegria y adrenalina y otros tantos de melancolia y tristeza. Pasados unos dias es el momento de la calma, de pisar tierra y aprovechar al máximo  esta oportunidad.

Otro idioma, la cultura, proyectos e iniciativa nuevas y personas de las que aprender. El tren de la vida continúa su camino. Y como en la vida misma habrán momentos de todo. Por ahora me quedo con el apoyo, el calor humano y el lugar. Con estas cosas todo es más fácil. 

Se me olvidaba… me prestaron una bicicleta. Ese es el mejor estimulante que me podián dar. Así la próxima vez que pierda un tren puedo ir pedaleando, aunque me demore un poco más. 

Hasta la próxima!

No comments:

Post a Comment